Pescadores de Homens

Lucas 5:1-11

E aconteceu que, apertando-o a multidão, para ouvir a palavra de Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré;
E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes.
E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.
E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar.
E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.
E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.
E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique.
E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, que sou um homem pecador.
Pois que o espanto se apoderara dele, e de todos os que com ele estavam, por causa da pesca de peixe que haviam feito.
E, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens.
E, levando os barcos para terra, deixaram tudo, e o seguiram.”

Jesus teve a necessidade de um espaço para falar aquela multidão, como estava as margens do Lago de Genezaré na Galiléia, era cedo final de uma jornada noturna de pesca, escolheu um dos dois barcos que estava a margem do lago, o barco de Simão e pediu que o levasse a á agua, e o afastasse um pouco da margem e de dentro do barco um local improvisado, assentado, ensinava a multidão. Encerrado seus ensinamentos, naquela manhã, os levou para fazer uma pesca superprodutiva, de forma que Simão e os seus sócios, Tiago e João filhos de Zebedeu, se espantaram pois haviam trabalhado a noite toda e não pegaram nenhum peixe, de imediato pelos ensinamentos que ouviram e aquele sinal maravilhoso, concluíram que Jesus não era um mestre qualquer, estavam diante do Filho de Deus. Interessante notar que eles poderiam, como empresários, colocar os olhos em Jesus, como fonte de lucro que podia lhes proporcionar, o deixando usar seu barco para muitos outros ensinamentos a multidão, e muitas pescas maravilhosas, como recompensa, mas eles fizeram exatamente ao contrário, aceitaram um convite especial de Jesus para segui-lo e com Ele serem pescadores de homens, depois de ter se declarado pecador, indigno de estar na presença de Jesus, é este o espírito desinteressado que Jesus espera ter, daqueles que ele chama para segui-lo, e principalmente aqueles que chama, para serem pescadores de homens. Pelo que podemos ver a Igreja viaja hoje por duas estradas no caminho da vida eterna, a estrada dos servem Jesus desinteressados de receberem grandes lucros, muito embora sempre cuidados por Ele, juntamente com seus familiares, e a estrada dos que alugam o espaço do barco das suas vidas, para obterem grandes lucros, se os dois vão chegar ao mesmo lugar não sei, mas que a estrada por onde seguir e cumprir a tarefa excelente de ser pescadores de homens, esta eu sei, a do desinteresse em auferir grandes lucros, incontáveis riquezas, obtendo porém o cuidado permanente do Senhor Jesus.

 

Pr. José Aparecido, servo de Jesus Cristo