Lamentações 4:3

“Até aos chacais dão o peito, dão de mamar a seus filhos; mas a filha do meu povo tornou-se cruel como os avestruzes no deserto.”
Lamentações 4:3

Lamentações e parte dos livros de profetas maiores escrito em forma de acróstico no alfabeto hebraico composto de 22 letras, capítulo 1 – 22 versículos de Álefe a Tau; capítulo 2 – 22 versículos de Álefe a Tau; capítulo 3 – 66 versículos de Álefe a Tau por 3 vezes; capítulo 4 – 22 versículos de Álefe a Tau; capítulo 5 – 22 versículos de Álefe a Tau, algumas traduções trazem no livro as letras do alfabeto hebraico no inicio de cada versículo, outras não.

Lamentações 4 fala do cerco de Jerusalém, por causa do pecado do povo, que ocorreu de forma cruel por duas vezes, a primeira quando Nabucodonosor rei da Babilônia, cercou Jerusalém, e a segunda mais cruel, quando o General Romano Tito cercou Jerusalém nos anos 70 DC, o cerco foi tão terrível que no desespero da fome as mães comeram a carne dos próprios filhos.

Numa primeira figura de comparação Jeremias escreve inspirado profeticamente até os chacais hábeis e cruéis caçadores, cuidam bem dos seus filhos, mas a filha do meu povo disse o Senhor tornou-se cruel. Na segunda figura as compara aos avestruzes no deserto. Jó 39:14-17 – diz que o avestruz é uma ave estúpida porque deixa os ovos na terra para o calor chocá-los, e não pensa que algum pé pode esmagá-los ou animais pisá-los, trata com dureza os seus filhos como se não fossem seus e fica tranquilo porque não tem sabedoria e entendimento. A cegueira do pecado  tira a sabedoria e o entendimento do povo. Por isto veio o julgamento no caso do segundo com o cerco feito pelos soldados comandados pelo General Tito, reflete bem o castigo do povo quando foram responsáveis pela crucificação do nosso Senhor Jesus Cristo, quando o mesmo foi inocentado por Pilatos o povo porém pediu sua crucificação e acrescentaram, que o sangue dele se for inocente caia sobre nós, e nossos filhos (Mat 27:24-25) . Lamentações 4:9 – da por felizes aqueles que morreram pela espada, do que os que morreram lentamente pela fome, morte lenta e cruel, com a cidade cercada o que se produzia nos campos não chegava a parte urbana da cidade. E tudo por causa do pecado.

Nenhuma nação escapa do julgamento e todas tem profetas que trabalham, consomem suas vidas anunciando o julgamento de Deus.

A grande clarinada da nossa geração é que Jesus voltará não mais como o anunciador das boas novas “arrependei-vos porque é chegado o reino de Deus” mas como rei para reinar com cetro de ferro e posteriormente como juiz para sentença final, vida para os creram e morte para os que não creram, céu e inferno dependendo da decisão do homem e o poder de Deus.